Dois apaixonados no MSN

Trecho de um papo real pelo MSN. Entre dois adultos, apesar de tudo. Adaptado.

Ontem, teclamos por horas, lembra?
Você me inspirou.
Escrevi, escrevemos juntos,
um quase poema, um frasepoema, como me disse você,
que só não é melhor por que
eu não estou à altura dos inspiradores:
você e os bem-te-vis das minhas árvores.

Mas nem só de poesia terminou meu dia.
Se não pude desnudar-me diante dos nossos bem-te-vis,
me desnudei, em silêncio, só pra você,
homenageado uma vez mais,
daquele jeito que só nós dois sabemos,
sem que nunca soubéssemos.

Pensando em você!
Que não estava, mas eu sentia…
até suas estocadas, doces, indóceis, suavemente viris, loucas.
Gozei, quase urrando, de quatro. Só pra você.
Só pra nós dois!

De quatro? Só fico pra você!, meu caro.
Disse que estava eu escrevendo lindamente…
Imagina! Discordei: isso parece mais é pornografia!
São coisas que só se diz pra quem nos desperta confiança.
Tamanha essa confiança, que me conhece os avessos todos.

Sexo é poesia!, retrucrou você,
que demorou tempo pra fazer sexo.
Guardou a virgindade até muito adulto,
descobrindo antes mesmo de fazer, que sexo é, sim,
poesia!
Em você, a poesia veio e foi sentida antes.
Poesia e sexo são a mesma coisa: gozo e prazer!

Ontem, você acha que ao escrever sobre os bem-te-vis,
inspirado por você, eu estava sentindo o quê?
Gozo, meu caro, gozo puro, mais intenso e duradouro
do que o gozo que senti quando esporrei,
você me comendo, de quatro, e,
corajosa, ousadamente, querendo mais…

Entregue a você,
mas estávamos agora frente a frente,
juntos: sentado, deitado, com nossos bem-te-vis
(sim, eles eram só nossos)
cantando ao nosso redor.
sentia bicadas nos mamilos, mas eram suas mãos
que me davam todo o prazer
que um homem pode atingir
quando consegue se entregar a outro, homem.
Apenas a outro homem único e verdadeiro,
numa comunhão que só dois corpos, unidos pelas almas,
podem entender.

De quatro, acabou ficando na imaginação.
Na real, você fomos além.
Eu me virei,
mas foi frente a frente.
Eu tendo a coragem de ser seu como se fosse sua.
E você sendo meu, como se fosse só meu,
sentindo tudo o que era seu. Sempre fora seu!
Dureza, calor, água!
Água, água! Por favor: água!

Você chorava ao final. De alegria.
Mas, de fazer chorar mesmo, é ser homem e,
em segredo, abrir as pernas corajosamente,
simbolicamente,
pra outro homem.
Sem deixar de ser homem, sendo ainda mais homem, gente,
outro homem: possuído e, agora, possuidor de si.
Afinal, foi preciso ser mesmo muito homem para,
sendo homem, abrir-se prum homem
que gosta de ser homem…
como nenhum outro homem!

Somos carne, meu caro. A carne irá.
Mas somos também almas.
Homem ou mulher, hoje um, amanhã outro,
seremos. Eternamente.

Chamou-me de gatinho, gatão.
Meu gatinho ou gatinha?, na cama ninguém mais sabia!
Nenhuma gatinha, ambos gatinhos, ambos gatinhas.
Lá e cá. Cá e lá.

Não. Não é pornográfia. Você tinha razão.
Também não é mais apenas paixão.
Já é amor mesmo. Um corajoso amor.
Entre dois seres puros e impuros.
Como qualquer homem, qualquer mulher,
à procura de sua própria pureza,
passando por suas impurezas.
Limpando, crescendo, iluminando.

Apaguei. É tarde. Chega. Vamos!
Amanhã, vida real, trabalho!

Anúncios
Esse post foi publicado em Ficção, Gay, Língua solta. Bookmark o link permanente.

7 respostas para Dois apaixonados no MSN

  1. bluMan disse:

    O melhor de tudo é que eu nunca sei se você está falando ou poetizando. Conversando com o leitor ou se já faz parte da sua composição.
    Também não sei o que é passado ou futuro.
    Um texto que funciona como um cosmos. Infinito, sem começar e nem terminar.

  2. Junnior disse:

    Me pareceu a ‘poetização’ de um papo ‘msn’ movido por lembranças vividas por dois homens apaixonados. Espero que fatos reais aconteçam com frequência e mesma intensidade.

    • Junnior,
      foi mesmo um papo ocorrido no msn, sobre experiências entre ambos. Experiências virtuais, porém, que me levaram, sim, ao gozo descrito. Este sim, também, real.
      Minha realidade atual, porém, não tem assim tantos fatos reais. E nem preciso mais deles.
      Talvez por isso eu os escreva aqui.
      Escrever, mesmo que poucos leiam, é, pra mim, necessidade. Exercício que deveria ter feito desde sempre.
      Abração

  3. FOXX disse:

    texto imenso, mas eu gostei! =D

  4. Margot disse:

    Não…não é imenso o texto. É “intenso”, excitante. E se vivido, mesmo em partes….. deve ter valido a pena.

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s