Ainda sobre Bentinho Dom Casmurro …

Em novembro, depois de reler Dom Casmurro, fiz aqui um breve comentário sobre um aspecto da relação entre Bentinho e Escobar que chamou minha atenção. Nada a ver com aquela eterna polêmica sobre a Capitu ter ou não transado com o melhor amigo do casal (Escobar), que sempre me pareceu (desculpem-me os entendidos) uma discussão tola, pois cada um interpreta como quer: é ficção e nunca saberemos o que Machado pretendia. Se é que não pretendia isso mesmo: deixar todo mundo numa dúvida em que cada um encontra elementos para sua própria certeza. Há opiniões para todos os gostos. Eu havia lido numa época em que pouco entendi, confesso que por obrigação e sem prazer algum. Resolvi reler o livro depois de assistir ao filme Capitu, com o sempre excelente Othon Bastos, criando um Bentinho absolutamente inseguro, um ser quase destinado à traição (não gosto dessa expressão, mas vá lá!). Ao contrário de Capitu, retratada como mulher absolutamente decidida, que não perdia mesmo tempo com as inseguranças do marido… (O roteiro do filme é de Paulo Emílio Sales Gomes e Lygia Fagundes Telles.)

Mas se você lê com atenção e desprendimento, nunca saberá se o que lá está é a verdade ou simples alucinação de Bentinho, que de tão tomado por uma paixão proibida, impossível, vai sendo dominado por inseguranças e ressentimentos, e começa a ver coisas onde talvez elas nem existissem. Quem já passou por uma paixão platônica por uma pessoa do mesmo sexo, pelo menos nos tempos em que isso era mais reprimido, sabe como é isso…

Bem, lá no post anterior, disse que ia trazer algumas falas e cenas que corroboram com a tese de que Bentinho é gay e nem tão trancafiado no armário. Mas encontrei um outro blog/site (aqui) com um texto do Millôr, relacionando várias passagens do livro. Além de muitíssimo melhor do que eu seria capaz de escrever, poupou meu trabalho. Quem se interessar pelos mistérios de Bentinho quase certamente gostará de ler.

Eu só deixaria esta pergunta, que gostaria de ver respondida por algum homem que não fosse gay, um autêntico e verdadeiro “zero” na Escala Kinsey: será possível a um homem que nunca teve desejos por outro homem, nem dúvidas sobre sua heterossexualidade, relacionar-se e sentir outro homem como Bentinho sentia Escobar? Quem, como eu, está além de “três” naquela Escala tem, certamente, uma única resposta possível. Até porque nos identificamos em muitas das passagens. Exceto quem só se descobriu adulto, todos os outros terão, em algum momento, sentido algo parecido por um “amigo”. Será?

Não, Capitu, o mistério é bem outro! E tu, certamente, mulher esperta, sabias o marido que tinhas.

P.S. No fundo, a dúvida sobre a sexualidade de Bentinho, longe de esclarecer, complica mais a história. Machado é desses gênios que quanto mais se lê, mais se acha…

Leituras relacionadas:

Julgamentos de Dom Casmurro, Jornal Valor, 03 de agosto de 2012.

Anúncios
Esse post foi publicado em Arte., Cinema e vida, Gay, Letras e vida, Literatura, Opinião, Sexualidade. Bookmark o link permanente.

7 respostas para Ainda sobre Bentinho Dom Casmurro …

  1. Cesinha disse:

    Bom dia, tudo bem? Fazia tempo que você não escrevia… e nós com saudade.

    Olha, não sou especialista em literatura, embora goste. Adoro Machado e, desde a primeira leitura que fiz de Dom Casmurro, sério, me parecia que havia alguma coisa diferente… alem da amizade… entre os dois. Acho que esse será mais um mistério que não conseguiremos desvendar nunca.

    Mas entendo tambem que a “graça” de toda obra de arte está justamente em “se dar” á livre interpretação de todos os que se coloquem na privilegiada posição de espectadores.

    Abraços

  2. Cesinha disse:

    Oi… eu de novo. Obrigado pelo seu comentário no meu blog. Eu respondi pra você lá e venho também aqui… pra você conhecer um pouco mais meu modo de pensar… se for do seu interesse, é óbvio.

    “Menino… sabe uma coisa?! Eu penso que não existe “verdade verdadeira”! Todos aqueles meus exercícios acrobáticos foi pra mostrar que eu acredito em “verdade por enquanto”…
    Adoro seu blog, viu… escreve mais pra gente!”

    Abraços.

  3. Gay Incomum disse:

    Oi, Alex!!
    Cara, acredita que eu não conhecia nada a respeito dessa Escala Kinsey?
    Legal, agora já sei e talvez até saiba onde encaixar meu passado e o meu presente. rs
    Mas quanto à sua dúvida, hoje em dia eu não sou mais categórico em relação a nada que envolva a sexualidade humana.
    Somos muitos complexos, e acho até que as definições que criaram para os comportamentos sexuais são limitadas ou imprecisos.
    Todo dia encontramos alguém com um tipo de sexualidade que nos surpreende, então, nada me surpreenderia se um homem que nunca teve desejo por outro, nem dúvidas sobre si, viesse a se interessar por outro homem.
    Como disse, tudo é possibilidades!!
    Abração!!

  4. Bem, acredito em tudo dito acima, e especialmente se referindo àquela duvida que você deixou: Sim, todo o garoto, nunca admitira paixão, física ou artística por outro garoto, pois colocaria sua sexualidade em duvidas, más compreenderá que existe um sentimento além de “Mera amizade”. O que tudo isto prova, baseado na realidade, é o que diz Machado: Os os olhos são a janelas da alma…E quando se há um sentimento além de “Mera amizade”, “Os os olhos são a janelas da alma”, entre dois garotos que se auto consideram héteros, pode ser indícios d’outras coisas, sentimentos não tão esclarecidos e duvidosos…

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s